Os diferentes tipos de xadrez

A gente já sabe que a moda é um verdadeiro vai e volta.


O que foi sucesso e tendência nos anos 00, pode voltar a qualquer momento. Nos anos 80 e 70, ih, volta o tempo inteiro.


Mas hoje, vamos trazer de volta uma moda que virou tendência nos anos 90: o xadrez.


Os tipos de xadrez são mais variados do que você pode imaginar, e não se limitam apenas na versão quadriculada.


Burberry, Vichy e Houndstooth são alguns dos tipos mais fashionistas do xadrez.


Quer conhecer mais? Segue o post!


Quadriculado



O tipo mais popular do xadrez é o quadriculado, tipo tabuleiro de damas.


Reza a lenda que esse modelo já tem mais de 1600 anos, antes mesmo do tabuleiro de xadrez, mas foi durante os anos 60 e 70 que as versões mais parecidas com as de agora surgiram.


O clássico modelo de tênis slip-on da Vans, por exemplo, foi lançado em 1977.


Depois de perder espaço nos anos 90, voltou com tudo nos 00, na onda emo e, desde então, sempre aparece nos desfiles.


Tartan



Esse modelo surgiu na Escócia, no século III, e neste ano volta com força total para os guarda-roupas.


As visitas frequentes da Rainha Vitória, em 1840, à sua propriedade na Escócia, incentivaram a moda, mas conta nas histórias que em 1819, já existiam mais de 250 variações registradas desse modelo.


Após a segunda guerra mundial, kilts e saias tartan tornaram-se febre popular, mas foi em 1995 que ganhou verdadeira notoriedade ao ser colocado nas passarelas por Alexander McQueen.


Príncipe de Gales



Algumas pessoas não conhecem esse tipo de xadrez, mas o Príncipe de Gales esteve ligado durante muitos anos a um tipo específico de lã, mas hoje pode ser encontrado em malha de algodão, bonés e camisas, bolsas e mochilas, entre outros.


Conhecido também com o nome de Glenurquhart, foi criado na metade do 19 pela Condessa de Seafield.


Masculinizado, começou a ser usado por mulheres nos anos 50, mas ganhou força com a modelo Twiggy nos anos 60 e o movimento andrógino que seguiu.


Houndstooth / pied-de-poule



É uma das versões mais antigas e caracterizado por um xadrez “quebrado” ou formas abstratas de quatro pontas, geralmente em preto e branco, embora outras cores sejam usadas.


O padrão clássico houndstooth é um exemplo de tesselação.


Muito utilizado por pastores escoceses no final do século 19, entrou para o universo da alta-costura em 1950, graças a Christian Dior.


Em 2009, no entanto, foi destaque na coleção de outono de Alexander McQueen.


Vichy



Essa padronagem é um clássico que remete imediatamente à maravilhosa Brigitte Bardot - que se casou em 1959 com essa estampa -, O Mágico de Oz, atividades de lazer ao ar livre, entre outros.


Ele chegou na Europa no século 17, e ficou popular nas décadas de 1920 e 1930.


Muito mais moderno e ousado, está caindo novamente nas graças do público, graças à bolsas, vestidos, biquínis e saias que estão voltando.


Entre idas e vindas, virou uma tendência fixa nos anos 80, quando Linda Evangelista e a princesa Diana entraram para o time do Vichy.


Burberry



O xadrez Burberry foi usado pela primeira vez como forro para capas de chuva na década de 1920, mas foi na década de 1960 que se tornou o clássico inconfundível da Burberry que conhecemos hoje.


Em 1970, foi lançado no famoso cachecol de caxemira, mas foi colocado de lado nos anos 2000. 17 anos depois, em 2017, a Burberry reviveu o xadrez, quando a nostalgia pelos anos 90 e 2000 estava ressurgindo.


Ganhou uma versão “rainbow” em 2018, em homenagem à comunidade LGBTQIA+.


Buffalo



Este tipo de xadrez teve origem no tartan escocês conhecido como Rob Roy, assim nomeado por pertencer ao clã que tinha entre seus membros Rob Roy MacGregor, uma espécie de Robin Hood da Escócia.


Suas camisas de flanela ficaram conhecidas no país e, em 1850, a indústria têxtil Woolrich Woolen Mills começou a copiar o design, dizendo tê-lo inventado.


Esse modelo se caracteriza por grandes blocos formados pela interseção de dois fios de cores diferentes, tipicamente vermelho e preto.